segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Direito ao avesso...


    Tem horas em que a expectativa de que você sempre tem que agir de uma determinada maneira (pelo seu "padrão de comportamentos") sufoca. É como se você já não mais fosse livre para fazer suas escolhas (e ser responsável por elas) porque alguém, sem pedir a sua autorização, construiu uma imagem sua que traz um rol taxativo do que pode ou não ser feito por você sem que abale tal construção. 

      Mas, quem foi que disse que perfeição se encaixa na definição de humano?

   É fato: se não damos aos nossos familiares, amigos e amores o direito de errar, encurralando-os na ficção dos nossos regramentos, acabamos por afastá-los.

     Não sei até que ponto essa projeção que fazemos no outro é uma extensão do nosso desapontamento com nossas próprias limitações; o que sei é que ninguém deve caminhar tendo o acerto por obrigação...

Nenhum comentário:

Postar um comentário